domingo, 10 de abril de 2011

Vazio.


Era sexta-feira, seis da tarde. Redação movimentada, dia de fechamento da edição especial de aniversário da revista, e eu estava ali. Sentada, cansada, com os olhos fixados na tela do computador e rodeada de papéis. Quando vi a secretária cruzar a porta com o meu copo de capuccino nas mãos, senti meus olhos brilharem. Já terminara meus deveres, e antes que ela pudesse chegar em minha mesa, já havia juntado todos os papéis e os enfiado na pasta, pegado o notebook e colocado a bolsa no ombro. Só passei a mão no meu capuccino e fui embora. Estava tão quente, que hora ou outra eu tinha que troca-lo de mão, para evitar que meus dedos se queimassem. Acenei para o primeiro táxi que passou pela Central Park West e, por volta e uma ou duas horas depois, estava no prédio. Entrei e, para minha infelicidade, o elevador estava fora de serviço, o que me fez lembrar de contatar o síndico sobre este problema na próxima reunião de condomínio. Subi pelas escadas mesmo, e embora o cansaço estivesse pesando, cheguei sã até o oitavo andar, onde ficava o meu apartamento. Ou melhor, o nosso apartamento.
Ao girar a maçaneta e abrir a porta, me deparei com a escuridão. Procurei, cautelosamente, pelo acendedor e em segundos o ambiente já estava sendo iluminado pela luz amarelada da sala de estar. Joguei na poltrona tudo que carregava nos braços. O casa estava desarrumada e haviam brinquedos espalhados pelo chão da casa toda. Me abaixei para recolhê-los e guardá-los no lugar os primeiros que vi, mas me lembrei que tal esforço seria em vão. Ela não voltaria a brincar com eles. Soltei-os. Me dirigi à cozinha, onde me vi diante da maior pia com louças sujas que já vi na vida. Hesitei em começá-las a limpar, mas me lembrei que ninguém mais haveria de usá-las novamente. Voltei para a sala e no sofá me sentei; liguei o abajur e a mesma mesa que servia de suporte para ele, também abrigava um cinzeiro. Ele sabia que eu odiava quando ele deixava cinzas ali. Por um segundo pensei em jogá-las fora, mas me lembrei de que ele não voltaria a usar aquele cinzeiro.
Me levantei e fui para o quarto da minha menina. Mais brinquedos espalhados pelo chão. A janela estava aberta, ventava bastante e as cortinas balançavam incessantemente. Cheguei a dar um passo em direção à janela, para fechá-la, mas me lembrei de que ninguém mais ficaria doente ali por tomar uma corrente de vento. Ela não dormiria mais ali. Fui para o meu quarto, e a cama encontrava-se desarrumada. Abri as portas do guarda-roupa, que agora estava vazio. Hesitei em arrumar a cama, mas me lembrei de que ninguém mais dormiria ali. Ao menos não no lado em que ele dormia.
Silêncio. Silêncio.Silêncio.
Acordei com um susto, e o coração num disparo só. Sentei-me na cama e olhei para o lado. Ele estava ali. Dormia em sono profundo e eu podia ouvir sua respiração. Dei um suspiro de alívio e senti meus olhos se encherem d'água. Não aguentei, me aproximei e dei um beijo de leve.
Me levantei e fui até o outro quarto. A luz estava apagada e o cômodo era iluminado apenas pela luz rosada do abajur; olhei em direção ao berço e vi ali a minha menina. Meus olhos se encheram d'água novamente e eu me aproximei de onde ela dormia. Descansava delicadamente, em sono intenso... Passei a mão por seus cabelos finos, e a beijei.
Nada como sentir o alívio que senti ao ver os dois ali, dormindo.

Beijos e me liga para contar dos seus sonhos de madrugada :*

PS: Comente, deixe sua marquinha aqui ;)

8 comentários:

  1. Perfeito! Amei, senti a emoção do conto xD
    Parabéns, e esse entra pra lista dos contos que eu mais gosto ;D

    ResponderExcluir
  2. AI Muito bom o texto, fiquei com medo de ler o final porque achava que o homem e a menina tinham morrido, é eu não gosto de finais triste. Mas me surpreendeu, ótimo texto yasmin (:

    ResponderExcluir
  3. ;O Que tenso e surpreendente, gostei *-*

    ResponderExcluir
  4. Me coloquei no lugar da personagem e senti tudo. shuashauhushauhusa
    Senti até o desespero da personagem. :p
    Surpreendente o final (e o melhor: foi feliz).

    ResponderExcluir
  5. bem interessante este texto, bem criativo tambem, a imagem combinou perfeitamente .. Parabens YASMIN :)


    Att,
    sawuelbruno™

    http://sawuelbruno.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Passando para desejar Boa Páscoa !!!

    Aproveito para dizer que voltei e, vou postar todos os dias !!!
    Me acompanhe !! Adóro sua visita !!

    Ahhh ... tenho um novo blog também >> http://artesdejulia.blogspot.com/

    Beijos e Bom Domingo !!!

    Julia

    ResponderExcluir
  7. Sabe quando cada cena escrita vai sendo passada na sua mente enquanto lê? Então. Amei!
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. eu amei! ficou muito bem elaborado, e eu tambem imaginei cada cena escrita. parecisa filme americano cara! parabéns yasmin !

    ResponderExcluir

Não leio mentes ainda, então não vou saber o que você achou a menos que comente.