quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Em meio a tantas folhas secas.


___ Ao atravessar a porta e sair para a calçada, um vento frio me cortou. Por impulso, fechei o meu casaquinho de linha, abotoando-o por um só botão. A paisagem estava em tons de laranja, marrom e amarelo, afinal, o outono chegara. Em cada passo que eu dava, ouvia o estalo das folhas secas no chão. Com aquele friozinho que estava fazendo, sentia que a minha pele estava mais branca do que nunca, e consequentemente, gelada. O vento mexia os meus cabelos, jogando-os para trás mostrando mais ainda a minha pele clara. O sol já estava alto, e entre as árvores, iluminava parcialmente as folhas que estavam caidas no chão. Na casa do lado, a janela do quarto dele estava com a cortina fechada; provavelmente ainda estava dormindo, afinal, não é todo mundo que acorda no mesmo horário que eu.
___ Infelizmente hoje era dia de eu varrer as folhas secas da entrada. Confesso que essa é a pior das tarefas, ter que ficar ali varrendo aquelas folhas secas e amarronzadas, que um dia já foram tão verdes quanto o lápis de cor que eu usava no jardim de infância. Peguei o rastelo e comecei a juntar as folhas em pequenos montinhos, para depois queimá- las. Olhei para a janela dos Stheiner novamente e dessa vez já estava aberta. Por mais que a distância de onde eu estava até a janela dele fosse relativamente grande, dava para ver alguns detalhes do quarto, como a parede branca e alguns posters colados nela. Ele saiu na sacada, esticou os braços e deu um breve bocejo e quando me viu, acenou, sem graça. Retribui o cumprimento, por educação, e continuei varrendo as folhas.
___ Certos 10 minutos se passaram e vi que ele saiu para a calçada, agora sem o pijama, vestido com um jeans e um moletom cinza; e o cabelo ainda um pouco bagunçado. Deu alguns passos, que foram suficientes para ele chegar até a divisa dos nossos terrenos, onde tinha uma cerca e debruçar sobre ela, me observando varrer as folhas. Lancei um breve olhar para ele, que disse: "Oi". Devolvi a saudação e então ele se calou.
___ "Tudo bem?" ele disse. Respondi que sim e perguntei se ele estava bem, recebendo dele uma resposta afirmativa. Finquei o rastelo no chão me apoiando, respirei fundo de cansaço. Olhei para ele, que me deu um sorriso. Um chamado vindo de sua casa o fez se despedir de mim e ir embora. Fiquei olhando-o até que o visse atravessar a porta. Olhei para o céu e entrei para casa, sem saber mais um vez, nem sequer o seu nome.


Beijos e me liga para contar das suas folhas secas :*


PS: Leia a primeira parte aqui :)
PS2: Desculpem a demora para postar, é que as aulas já começaram e agora ficou meio puxado para postar sempre :/
PS3: Comente, deixe a sua marquinha :)

10 comentários:

  1. Aaaah mano >< nao te falo nada viiu. quando vc escrever um livro lembra de me colocar na historia enh SHAIUSHAU ...

    ResponderExcluir
  2. Tem um selinho para você no meu blog! http://ihopebythetime.blogspot.com/p/selinhos.html

    ResponderExcluir
  3. muuito legal a história!! gostei, nossa heim escritora Yasmim!
    flor adorei ler, beeijo

    ResponderExcluir
  4. Oii, gostei do seu blog, de uma passadinha no meu:
    http://xxx-pink-xxx.blogspot.com/ ?
    Se gostar do blog segue, please ??

    Bjox da X-Pink.

    ResponderExcluir
  5. Adorei seu blog,visita ?

    http://nuvem-de-amor.blogspot.com/

    Beijos *-*

    ResponderExcluir
  6. As minhas folhas secas estou jogando pra baixo do carpete, um dia eu usarei elas pra algo.

    bjbj

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Nossa que profundo!! Adorei!!

    beijos prima

    ResponderExcluir
  9. Amei o jeito que você escreve, vou acompanhar essa história. Estou seguindo o blog, espero que me siga.

    Bjs

    http://tvfabulous.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Não leio mentes ainda, então não vou saber o que você achou a menos que comente.