quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Ponte Aérea Arizona - Roma.

O dia estava para terminar e a tarde começara a cair. O sol passou a sumir dentre as montanhas, deixando apenas um pequeno rastro de claridade. A vista da escrivaninha do quarto dela privilegiava o comodo, sendo a mais bonita de toda a casa. Uma janela ampla, de madeira já um pouco envelhecida, mas oferecia grande aconchego. E sob a mesinha, dezenas de bolinhas de papel amassado, uma folha limpa e uma caneta ao lado.
Ela não sabia por onde começar aquela carta. Não sabia ao menos se deveria escrevê-la, mas decidiu tentar. Todas as folhas rabiscadas e amassadas que estavam espalhadas pela mesa anunciavam que ela não tivera muito sucesso no começo da escrita. Ora ou outra ela parava, olhava para aquele fim de tarde, e perdia não menos que cinco minutos lá, olhando, imaginando e pensando. E era no auge dos seus pensamentos, que um vento batia em seu rosto fazendo-a acordar daquele sonho e voltar a encarar o papel. Ela o alisava com a ponta dos dedos, como se isso fosse ajudá-la a pensar em alguma coisa; depois desviava o olhar para o fino copo de vidro que continha pequenas flores rosas sobre a mesa. E depois disso, voltava a olhar para o papel.
Começou a rabiscar pequenos corações no rodapé da folha, como forma de distração. Ela tinha essa mania: sempre que tinha um lápis e algum pedaço de papel por perto, involuntariamente a primeira coisa que desenhava era sempre corações. Talvez, no fundo, isso realmente significasse alguma coisa. Irritada com a demora para conseguir escrever alguma coisa, ela começou a revirar tudo que havia por perto, na esperança de encontrar alguma coisa que a fizesse lembrar e, consequentemente, saber o que escrever. Procurara por fotos no celular, folheara alguns livros, onde ela tinha também a mania de deixar algumas anotações e comentários sobre o que lia. Procurara também pelas gavetas e até mesmo naquela caixinha preta, onde ela costumava guardar suas lembraças e raramente gostava de revê-las. Mas não, ela não encontrou nada. Nada.
Mas foi em ataque súbito de loucura momentânea que ela percebeu que nenhuma carta no mundo seria capaz de expressar o que ela sentia. E finalmente ela compreendeu que palavras não prometem nada e muito menos conquistam alguém. A verdade é que atitudes expressam muito mais o que se sente do que meros conjuntos inúteis de letras.

“ Arizona, 29 de Maio de 2003.

Meu amor,
Eu te amo.
E tenho certeza de que aí, onde você está, essas três palavras possuem o mesmo significado que têm para mim.

Com muito carinho,
a garota norte-americana

Dest.: Meu Garoto Italiano, Roma, Itália.”

Beijos e me liga para contar da sua carta de amor :*

PS: Comecei esse conto com uma linha em mente, mas acabei fugindo totalmente dela. E deu nessa coisa aí.
PS2: O blog chegou aos seus noventa seguidores e mais de cinco mil visitas \o/ Estou felicíssima, mas se quiserem me deixar mais feliz ainda, é só me ajudarem a chegar aos cem *-* Muito obrigada ;)
PS3: O item número vinte sete da minha Wish List foi cumprido essa semana. Vou começar a fazer teatro ;)
PS4: Passeando pela internet a fora, eu me deparei com uma citação maravilhosa da minha diva Clarice Lispector. E foi uma citação com um fundo tão, tão, tão verdadeiro, que eu tive que postar aqui. Ela está aqui na lateral ->
PS5: Comente, deixe sua marquinha aqui.

7 comentários:

  1. Como sempre adorei!
    Parabéns pelo blog, agora vc é uma pessoa "pública e exposta" KKKKK' (só a gente entende)

    Essa citação da Clarice realmente é muito verdadeira, Clarice é diva né! xD

    ResponderExcluir
  2. eu simplesmente amei, sem palavras né yasminzita? ótimo texto

    ResponderExcluir
  3. Ah que lindo amor,
    sempre quis receber e fazer uma carta de amor, mais infelizmente não tive ainda essa oportunidade. Belo texto, *-*

    http://lelyanjos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. lindo, lindo '.' adoro essas coisas românticas. hihi Beijão

    ResponderExcluir
  5. lindo mesmo voutarei sempre!


    http://osilenciodaspalavrass.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Difícil não amar esse texto, ficou super fofo e cheio de romance. Também tenho a mania de desenhar coraçõezinhos no pé da folha, haha. O final está corretíssimo, palavras não servem pra conquistar, atitudes sim. Não importava ela escrever 5 folhas, se ela desse um beijo nele já diria tudo.
    Ah, e a citação ali da Clarice é linda. Nunca tinha visto..
    Beijos, e obrigada pelo carinho, sério <3

    ResponderExcluir

Não leio mentes ainda, então não vou saber o que você achou a menos que comente.