segunda-feira, 11 de julho de 2011

Velha infância.

É engraçado como são as coisas, né? Tua vida sempre é tão corrida, você sempre tem coisas a fazer e tempo para respirar é quase tão raro quanto tempo pra descansar. Eis que por um milagre, você tem um dia inteirinho sem nada para fazer. De vez em quando dá uma saudade de poder ficar em casa, deitada e sem hora para levantar. Geralmente são nesses momentos em que a gente tira um tempo pra lembrar das coisas...
De repente me deu uma saudade do que já se foi. Assim, do nada, sabe? É até um pouco difícil explicar. Me lembrei de quando eu acordava cedinho, em plenas férias, só pra poder ficar mais tempo na rua, brincando com a vizinha. É incrível como eu nunca me cansava de ficar o dia todo correndo. Sinto falta de quando nós sumíamos trilha a dentro e pássavamos horas deitadas debaixo de uma árvore qualquer, conversando sobre o que seríamos no futuro. Ou quando não, inventávamos de fazer piqueniques... me lembro dessas coisas com uma alegria tão grande. Quando chovia, era ódio para todas nós. Éramos obrigadas a ficar dentro de casa, mas nem por isso deixávamos de aprontar. Íamos para a cozinha e lá ficávamos; a gente inventava mil e um pratos e cada um pior que o outro... Ah, que saudade.
Mas o que eu sinto mais falta é da minha família. A família por parte do papai, que sempre organizava as melhores festas; que sempre unia todo mundo nos finais de ano, que nunca deixou de me trazer lembranças maravilhosas a cada fim de semana em que todos nós íamos para a casa de férias, onde eu muito bem me recordo dos passeios de jet-ski, das horas na piscina e das queimaduras que eu adquiria por teimar em não usar protetor solar. Me lembro de ficar atrás do titio, que me pegava no coloco e me fazia cócegas até eu chorar de rir e implorar para que me colocásse no chão. O melhor eram os finais de ano na fazenda dele, em Minas. Eu amava aquele lugar, era simplesmente fantástico ficar lá. Casa sempre cheia, todo mundo exalando alegria pelos poros, me fazia muito bem aquilo tudo. Lembro, com cada detalhe, de quando mamãe, papai, e mais o restante da familia ficava horas jogando cartas enquanto nós brincávamos com a cachorra, Samantha, na piscina. No final do dia, mais queimaduras.
Naquela época, o melhor dia da semana eram os domingos. Acordar cedo e ir para a fazenda do papai era parte da rotina, e se não fossemos era como se faltasse alguma coisa. Lembro com muita saudade de quando chegávamos lá e a primeira coisa que eu pedia era para que trouxessem meu cavalo. Ficava a manhã toda nele e não saía enquanto o almoço não estivesse pronto. Correr atrás das galinhas e depois ser perseguida por elas era quase um hobbie. Não devia ter mais do que seis anos, mas me lembro de tudo; absolutamente tudo.
Tenho um carinho enorme pro cada fotografia que tenho desses momentos. É como se fossem a única coisa que restou da minha infância, além de cada lembrança maravilhosa. Por isso, torno a dizer o quanto as coisa são engraçadas: olhe eu aqui, agora, sozinha. Aonde foi parar toda a alegria que eu tinha? A casa cheia, as férias na piscina e os domingos à cavalo?
Sinto tanto a falta de tudo isso... E por fim, caímos no mais clichê dos clichês: "Sinto saudade daquilo que não volta".

Beijos e me liga pra contar da tua infância :*

PS1: Foi vendo algumas fotos de alguns anos atrás que me deu uma vontade imensa de escrever este post... Saudade.
PS2: Estava passeando pelos blogs essa semana e me deparei com um texto simplesmente FANTÁSTICO. Senão, um dos melhores que já li. Não sou de compartilhar blogs, nem postagens aqui, mas esse é simplesmente perfeito. Não sei se me identifiquei demais com o texto, mas sei que ele tem uma essência tão maravilhosa que fez com que eu salvasse nos meus favoritos. É o post "Don't wait up" do blog da Amanda Arrais.
PS3: Essa semana completei o item número 48 da minha Wish List. Estou na depressão pós término de livro. Amava tanto essa série e não me vejo sem acompanhar Mia Thermopolis.
PS4: Comente, deixe sua marquinha aqui :)

13 comentários:

  1. Minha infância foi diferente da tua, mas lendo essa assim lembrei da minha. De cada detalhe, das brincadeiras, dos medos, enfim.. Dá uma saudade dessas coisas que não voltam. Ficou maravilhoso o texto, de verdade mesmo. E sobre o fim da série, eu te entendo. Li quase todos, cheguei ao quinto se não me engano, mas é maravilhoso. Dá vontade que nunca acabe, porque a gente se sente meio princesa também, não é? hahah. Beijos!

    ResponderExcluir
  2. minha infancia nao foi bem assim, mas parecido. A coisa que eu mais sinto falta era da inocencia que eu tinha, de que eu não tinha maldade alguma e amor so era de pai e mae. QUERIA voltar no tempo e ser criança. '' Agora eu entendo porque o peter pan não queria crescer''

    ResponderExcluir
  3. A velha síndrome de Peter Pan, nossa, eu sou muito nostálgica com issa, foi só eu ler que me vieram várias lembranças em mente. Minha família também costumava fazer festas e todos se reuniam, era uma bagunça mas éramos felizes, hoje em dia não é mais assim, acontecem festas mas a alegria outrora presente deu adeus. Todas as tardes e noites brincando, correndo no meio da rua, nossa, eu só tinha que me preocupar em saber as letras do alfabeto ou em cobrir o tracejado. Hoje são tantas responsabilidades, tão pouco tempo pra mim, tenho tanta saudade daquele tempo. Lindo esse texto, viu Yasmin? Nostalgia rolando solta.

    ResponderExcluir
  4. Ah Meu Deus, eu tenho tantas saudades da Mia e de seus pensamentos mirabolantes.♥ Nem lembro em que livro eu parei mas vou continuar essa série nas próximas férias, pena que leio em e-book, se eu pudesse compraria todos, nem dá pra acreditar que ela não existe. ♥_♥

    ResponderExcluir
  5. Lendo este texto teu,lembrei de tudo o que o tempo apagou da minha mente é estranho né?,antes poucas coisas nos completava,tudo nos fazia bem e feliz,agora tudo é mais difícil,tudo tem consequências agora e não tem como viver sem ter saudade da nossa infância.
    Querida tem selo pra ti no meu blog,na pagina de selo,depois pega la.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Seu blog me INSPIRA!
    Deixei um selo pra você http://natanymaciel.blogspot.com/2011/07/ganhei-e-agora-vou-retribuir.html ♥

    ResponderExcluir
  7. Quando eu era pequena, tudo que eu mais queria era crescer logo, agora eu gostaria que o tempo voltasse e que parasse, da uma saudade desses tempos !

    ResponderExcluir
  8. odentifiquei-me
    gostei imenso
    a seguir

    ResponderExcluir
  9. Menina, deixe-me fazer uma confissão: esse seu texto abalou a estrutura aqui dentro, viu? Nostálgica que sou, li cada linha me vendo em parceria contigo nessa saudade da infância. Também sou assim, pego as fotos, relembro os melhores fatos e só falto chorar.
    Ah, como é lindo lembrar, né? Melhor ainda seria se Deus nos tivesse dado o poder de reviver os melhores momentos da vida...Mas Ele bem sabe de todas as coisas, rs.
    Beijos, minha flor! Que lindo comentário deixou por lá, agradeço muito! Volte sempre que quiser!

    ResponderExcluir
  10. Oi flor, tudo bem??
    Adorei seu blog! posso segui-lo?

    se quiser conhecer o meu, é este aqui: www.gabs-13.blogspot.com

    Bjão guria ;**

    ResponderExcluir
  11. nostalgia é um sentimento que surge a partir da sensação de não poder mais reviver certos momentos da vida. Doce infância foi a minha também!
    Fico horas olhando fotos de momentos que passaram , e que na hora a gente curte mais não dá tanto valo quanto agora quando olhamos o que passou'
    Muito bom o texto' adoro o jeito que você escreve!

    ResponderExcluir

Não leio mentes ainda, então não vou saber o que você achou a menos que comente.