segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Como uma flor.



                                                
    O jardim estava lindo. Era primavera e tudo estava vivo. Flores desabrochando, ou quando não, já estavam desabrochadas. A grama era tão verde quanto o giz de cera que uma criança usa para pintar a montanha no papel branco. A garota caminhava pelo lugar enorme, deixando que a barra de seu vestido, a esta altura já desbotado, arrastasse na grama recém crescida. Estava descalça e sentiu cada centímetro quadrado, por onde deslisava seus pés. O céu estava de um azul estonteante. Ventava um pouco.
    Porque os dias não podiam ser todos assim? A garota tinha tudo, e ao mesmo tempo nada, vagando pela mente. Pessoas. Porque elas não podiam ser como dias bonitos, tão aconchegantes e acolhedores quanto? Ela riu por um breve segundo ao se ver comparando pessoas a dias ensolarados. Olhou para o céu novamente, dessa vez se sentindo confiante. Ver aquele azul todo e saber que sua extensão ia muito além do que a vista alcançava, lhe passava essa segurança. Pessoas podiam ser como céus azuis.
    Caminhou mais alguns metros até se ver diante de um punhado de flores coloridas que não deviam ter desabrochado há mais de alguns dias. Sentou-se. Arrancou uma das flores e a girou com a ponta dos dedos. Deslizou o topo do indicador pelas pétalas. Arrancou a primeira. Lembrou-se de sua avó. E uma certa história...
    Relacionamentos são como flores. A cada decepção, uma pétala é perdida. Foi machucado? Lá se vai outra pétala. Traíram sua confiança? Uma pétala a menos. Uma pétala perdida para cada mágoa, outra para cada lágrima... Você pode perdoar, mas a pétala não vai voltar. No final, não há mais nenhuma. O que sobra é o ramo, puro e simples; sem nada. Para quê servem ramos vazios? Relacionamentos vazios também não servem para nada.
    Cuide bem das suas flores coloridas e elas permanecerão como se fosse primavera pra sempre.

Beijos e me liga para contar das suas flores coloridas :*

PS: Sabe aquele texto que você simplesmente amou escrever? Este foi um deles.
PS2: Queria agradecer o Lucas, por me ajudar com a ideia. Obrigada!
PS3: Comente, deixe sua marquinha aqui :) 

12 comentários:

  1. Yasmin é amor. Acho que ja esta na hora de escrever um livro. MAS O QUE É A MINHA OPINIÃO NÉ.

    ResponderExcluir
  2. Lindo demais esse texto e totalmente real. Achei ótima a comparação dos relacionamentos com as flores ''Para quê servem ramos vazios? Relacionamentos vazios também não servem para nada.''. Para não murcharem, tanto as flores quanto - e principalmente - os relacionamentos, só mesmo cuidando com muito amor e paciência. Acho que é isso que devemos fazer quando as dificuldades aparecem, porque quando há amor, há resistência. ;)
    Muito, muito inteligente, Yasmin. Acho que não poderia ter comparação melhor.
    Beijos mil, e fica com Deus! *-*

    ResponderExcluir
  3. para de escrever nesse blog maravilhoso e vá escrever um livro. grato

    ResponderExcluir
  4. Quando cuidamos das nossas flores, o inverno pode cobri-las, mas não irá matá-las.
    Gostei muito do texto

    ResponderExcluir
  5. Estou sem pétalas, virada em ramo esperando uma primavera, um adubo, um cuidado, para que quem sabe, floresça de novo.
    Beijo lindona

    ResponderExcluir
  6. O jeito é não deixá-las cair. E não deixe cair a pétala que te faz brilhar nas palavras. Parabéns, um grande beijo.

    ResponderExcluir
  7. Uma linda imagem de se ter... É um ótimo sentimento quando se consegue escrever algo que deixa você feliz... Lindo texto!

    ResponderExcluir
  8. Faço ciência da computação, Yasmin e, como eu disse lá no blog, se tudo der certo termino esse ano.

    ResponderExcluir
  9. Bela comparação a da sua avó, e ela esta certissima , a pétala depois de arrancada não tem como voltar, assim como a confiança depois de quebrada.

    Beijos

    ResponderExcluir

Não leio mentes ainda, então não vou saber o que você achou a menos que comente.