terça-feira, 29 de outubro de 2013

Pelo direito de estar triste.



       Acordei com o despertador tocando incessantemente como quem grita por ajuda. Mas ao ver a hora, quem quis pedir por socorro fui eu. Era quarta-feira, a notícia boa era que já havia se passado dois dias desde o começo da semana; mas a ruim era que ainda faltavam mais dois para o fim dela. Permaneci deitada por mais uns cinco minutos desde que o despertador havia tocado e fiz uma lista mental de tudo o que eu deveria fazer durante o dia. Não tinha nem me levantado, mas já calculava quanto tempo faltava pra eu voltar para casa e poder dormir. Eu não queria que o dia começasse.
       Me sentei à beira da cama e me olhei no espelho que ficava à minha frente; não me senti feliz com o que via e percebi que o dia seria difícil para mim. Calcei os chinelos, fui até a cozinha preparar meu café e, enquanto observava a água ferver, me dei conta de que estava acompanhada de uma peculiar sensação que não costumava acordar comigo. Eu só queria pegar minha xícara de café e voltar para a cama; e passar o dia todo lá, sem nenhuma obrigação de interagir com qualquer coisa que fosse externa à minha casa. Não estava com paciência para trânsito, para problemas, para pessoas. Estava triste.
       O processo de me alimentar, me arrumar e sair de casa não levou mais que uma hora. Tranquei a porta e chamei o elevador; quando ele chegou, vi que duas senhoras já estavam lá dentro. Entrei e respondi aos cumprimentos com um sorriso esboçado e um positivo com a cabeça. Observei, de canto de olho, que as duas senhoras se entreolharam. Ignorei. Saí do elevador e o mesmo cumprimento me foi dado pelo porteiro, que foi respondido com "bom dia" calmo e baixo. Percebi que ele arqueou as sobrancelhas como forma de reprovar a minha atitude de não tê-lo cumprimentado com maior fervor. Ignorei novamente.
   Enquanto esperava o ônibus, parada de braços cruzados na tentativa de inibir o frio que o vento trazia, muitas pessoas passaram por mim. E me pareceu que o simples fato de eu estar encostada no poste, quieta, observando a ponta dos meus sapatos, era o suficiente para as pessoas me olharem diferente. Pensei no incômodo que seria ter de lidar com um ônibus cheio durante uns 40min até chegar ao meu destino. E não foi diferente.
       Cheguei ao trabalho e respondi o necessário às coisas que me eram questionadas. Recebi alguns "você está bem?" e uma porção de "aconteceu alguma coisa?", além de notar cochichos de pessoas que me observavam de longe parecendo não se importarem em manter a discrição. Sem mencionar o cartão de visitas que eu encontrei em minha mesa, quando voltei do almoço. Doutor Marcos, psicólogo.
       Sabe, é difícil viver em um mundo onde acordar triste é quase um crime. Talvez se eu tivesse matado alguém, teria sido menos acusada. Não me lembro de ter ficado sabendo de alguma lei que obriga as pessoas a serem sempre felizes e gentis e amáveis durante 24h por dia, 7 dias por semana. Não estava com raiva, tampouco descontei minha insatisfação em alguém. Só não me dei o trabalho de socializar quando, na verdade, eu queria era ficar só comigo mesma.
      Não consigo ver nada de errado em estar triste; é um sentimento tão original quanto qualquer outro. Tanto quanto a felicidade, inclusive. Mas sabe por que é pecado entristecer-se? Porque na propaganda da margarina, todo mundo acorda feliz da vida e toma o café-da-manhã rindo e festejando, como se a gente nunca levantasse morrendo de sono e querendo dormir a manhã toda. Porque no comercial do absorvente, a moça sai saltando alegremente à la Daiane dos Santos e, pasme: de roupa branca; como se isso fosse humanamente possível. Porque na propaganda do adoçante, a mulher aparece linda e magra como se desse pra ser feliz fazendo dieta e "adoçando" seu suco com um líquido que tem gosto de remédio. Estar triste é punível de morte porque nos foi ensinado que devemos sempre ser melhores e mais alegres que os outros. E que não há nada que derrube uma pessoa tão facilmente quanto mostrar que sua felicidade é maior que a dela. Mesmo que você só esteja fingindo.
      Que não tenhamos receio de assumir quando não estamos bem. Felicidade é um estado de espírito e não um destino. Se não dá pra ser feliz todo dia, que troquemos, então, a felicidade fingida por uma tristeza assumida. Desde que sentida, é claro.

Beijos e me liga quando você estiver triste :*

Olá! Vocês se lembram quem sou eu? Costumo escrever, de vem em nunca, neste tão abandonado blog. Mas ó, tenho boas notícias (ou não): essa saga tá acabando. O ano tá terminando e, com ele, os vestibulares também! Só mais algumas semanas e eu entrarei em férias, tendo longos e deliciosos t.r.ê.s meses de descanso. Aliás, tô carente de tags para responder. Quem tiver alguma por aí e quiser me indicar, vou gostar muito!

16 comentários:

  1. Fez-me lembrar e um poema do Raimundo Correia / Mal secreto.

    Pois bem, é o que eu vejo muito em todo lugar, eu às vezes tenho um comportamento um pouco introspectivo, gosto de ficar em silêncio pensando com meus botões e é claro que escuto o tempo todo que eu deveria colocar um sorriso no rosto, enche o saco não é?

    Sou completamente a favor do direito de me sentir do jeito que eu quiser sem ter que passar atestado disso pra ninguém. unf.

    Adorei o texto.
    Beijos
    eraoutravezamor.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Excelente observação!
    Realmente é risório as bases da nossa sociedade (mundial). Pois esta tudo mais que evidente que quase tudo que fazemos, cremos, etc.... é por mera alienação. Seu exemplo é claro nisso, pois a maioria das pessoas não querem ser sociais, não estão felizes,... mas tem que fingir, para serem aceitas.
    Sou uma pessoa que nunca conseguiu ser dissimulada e nunca admirei quem tivesse tal habilidade. Entretanto, hoje sinto pena! Sim, eu sinto. Pois deve ser triste, você ter que mentir todos os dias para si mesmo, que seus amigos realmente te amam, que ser "elogiado" por todos te torna alguém melhor, que sua cultura é a melhor do mundo, etc.

    ResponderExcluir
  3. Tem dias e dias. E eu acho que é imprescindível termos o direito de estarmos felizes ou tristes. Tem dias que a gente fica assim mesmo, introspectiva, melancólica e etc. E não vejo nada de errado nisso, na verdade, quando fico assim, eu nem sequer presto atenção nas coisas, nas pessoas ou, até, dependendo do dia, me dou o direito de ficar enrolada na cama assistindo algo ou simplesmente não fazendo nada; porque nesses momentos é que a gente se descobre, se percebe e sofre um pouquinho também, é normal.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Me identifiquei muito com essa cronica ~~ Pior do que as pessoas te encararem ao passar por elas é alguém brigar com você como se tivesse feito algo errado, mais especificamente como se tivesse descontado a tristeza/raiva nesse alguém- o que não ocorreu. É como se o fato da gente estar mal, independentemente do motivo, fosse uma agulha espetando todos ao nosso redor.
    Não tenho obrigação de estar feliz todo o tempo, ninguém tem.
    sete-viidas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. nossa, você descreveu uma coisa que me incomoda muito... tem dias que eu estou triste, chateada ou simplesmente sem paciência, sabe? e é chato quando parece obrigação ter que sorrir só pra esconder essas coisas... eu acho super bonitinho quando vem alguém sincero perguntar o que aconteceu, se pode ajudar, mas fico muito incomodada quando vem gente que eu mal falo perguntar só por educação, sabe.

    um viva pela liberdade de viver dias não tão bons o/

    seu texto passou como uma cena da filme na minha memória, Yasmin, muito lindo mesmo! me inspirei pra escrever ^-^

    beijos

    www.pe-dri-nha.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. No mundo de hoje, é como se as pessoas fossem obrigadas a estar felizes, ou a estar constantemente em busca disso. Não digo que a felicidade é má ou que não deva ser procurada, mas como você disse, a tristeza é um sentimento tão original como qualquer outro.
    Seu texto me lembrou um dos meus personagens (o.O). O nome dele é Lance, um psicótico-depressivo que precisou fugir de Paris por estar envolvido com falsificações ilegais de arte, o que acabou abaixando mais ainda suas esperanças de "felicidade". Nossa, não sei porque eu falei disso aqui, meu comentário está parecendo sinopse de filme kkkk

    ResponderExcluir
  7. Achei o texto mais do que digno
    No meu trabalho é do mesmo jeito, eu não chego sorrindo porque po, peguei trem lotado e acordei cedo, ai a primeira frase que escuto é "Chegou a alegria em pessoa" em tom bem irônico

    Novembro Inconstante

    ResponderExcluir
  8. Estar feliz ou responder-cumprimentar pessoas alegremente virou quase uma obrigação. Acho estranho. Não gosto muito disso. Porque, enfim, você não pode nem se expressar que vai trabalhar morrendo, porque já te chamam de preguiçosa. Mas, o que posso fazer se já acordo assim? As pessoas não são obrigadas a estamparem um retrato feliz porque é o que se espera delas. Ao menos, não deveriam.
    ●••●Emilie Escreve●••●

    ResponderExcluir
  9. Nos anos 20 isso era chamado nos EUA de Sonho Americano, que é justamente essa ideia de jogar na cara dos outros a sua felicidade, mesmo que falsa. Só as pessoas se esquecem de que não é bem assim. Odieo genet que vem e fala "As criançinhas da áfrica estão morrendo de AIDS e v ocê ai triste só porque não aguenta mais estudar" Vai se fuder, dá vontade de dizer ( desculpe o palavreado, eu não me controlo). Quando estamos triste, estamso só triste e ponto e temos o direito de estar, porque nossos problemas são enormes e importantes pra gente, porque somos nós que estamos sentindo. A sociedade não deixa a gente ser triste mas é ela quem molda a feliciade de uma forma que se torne inalcançável.
    Dê um tempo a sua tristeza, para ela descobrir o caminho sozinha para voltar a se tornar felicidade. Todo mundo precisa disso.
    Beijão
    barradosno-baile.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Adorei seu texto. Principalmente por já ter passado por essa situação! E sim, é pecado não ser agradável todos os dias. Ou, pelo menos, aparenta ser um crime. Mas sabes de uma coisa? Essas pessoas que se preocuparam com você, se PREOCUPARAM com você. Se antes eu via essa preocupação como uma afronta, hoje eu a acolho. Não lhe dou crédito mas eu a entendo.
    Está cada vez mais difícil alguém se preocupar conosco. No mundo em que se chega ao trabalho, a escola e todos falam alegremente "Bom dia" mas não retiram o olhar das telas dos celulares para saber como o outro está... nesse mundo, eu me aborreço mais ainda. Não que eu tenha que ser o centro das atenções mas gosto quando, pelo menos, meus amigos se importam comigo. (Não, sem acusações contra meus amigos. Ainda preservo um grupo seleto de pessoas que não preferem ficar 24horas teclando em redes sociais). Mas sim, já saí para jantar em algum restaurante e observar casais, cada um em seu celular. Isso me aborrece mais ainda. Mas enfim, em dias como o que você descreveu, um: "vai se danar" só não sairia de minha boca por pura preguiça em falar. rs

    E perdão, mas sobre o "Doutor Marcos, psicólogo", eu não segurei a gargalhada. rsrsrsr Que coisa, não? rs Se no dia seguinte, você chegasse com um sorriso enorme no rosto, já iam acusar você de ser "bipolar" rs.

    rs Abraços
    e ah, compartilho dessa "férias" com você. Também estou de férias pós-vestibular.
    Toca aqui \õ

    rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Posso compartilhar seu texto no Facebook?

      Excluir
    2. Mas é claro! É só creditar com o link do blog ou da fanpage ou só meu nome mesmo, como você preferir! Inclusive agradeço pela divulgação ;)

      Excluir
  11. Amei o texto, muito bem escrito e com um ótimo assunto.
    Muito lindo aqui!
    Da uma passadinha no meu blog?
    Segue se gostar?
    http://theworldoflena.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Bom dia!
    Todos temos dias ruins. Eu, por exemplo, detesto acordar cedo. Detesto ter que ser simpática com todos em minha volta ANTES das 08hrs. O que falta nas pessoas é a consciência de que 'estar triste' é algo natural, todos sentem, uns demonstram mais que outros, mas é parte de nosso ciclo, de cada ser. Algumas pessoas até conseguem disfarçar esse tipo de sentimento, mas acho que isso acaba sendo pior. Quando estou triste ajo naturalmente. E aí de quem vier se meter em minha vida, haha!
    Ótimo texto, adorei sua reflexão... E cara, queria o segredo de andar de branco e feliz em dias de menstruação.

    Beijos,
    www.procurei-em-sonhos.com

    ResponderExcluir
  13. Adorei!
    simplesmente tem dia que a gnt "não ta afim" e pronto meu ¬¬
    kkk
    bj

    ResponderExcluir
  14. Ta ouvindo seu celular? Você mandou ligar quando alguém tivesse triste. Eu to :/
    Tenho muitos dias como esse que você descreveu, tudo que queremos é ficar quietas, infelizmente todos entendem o contrário. Aiai.
    Ah, já estou adorando seu blog.
    Beijos.
    https://withmyjournal.wordpress.com/

    ResponderExcluir

Não leio mentes ainda, então não vou saber o que você achou a menos que comente.